quarta-feira, 10 de outubro de 2007

MEUS PEDAÇOS

Tento me recompor, tenho momentos alternados de interiorização e outros de profunda tristeza. Procuro me encontrar entre meus pedaços e recomposta tento sobreviver a cada dia. Vê-se que hoje o dia não amanheceu para os melhores.
Tenho a necessidade do silêncio para que minha alma fale, que conte de suas agruras e travessuras que me colocam aqui neste estado.
- Mas afinal temos aqui uma questão e vamos resolvê-la juntas, falou a alma em tom alto e forte, mostrando que agora era ela que mandava ali.
Faço mais silêncio para poder escutar com clareza.
- Sou eu mesma que te falo, sua tonta! Não tens mais para onde ir, tudo está confuso na tua cabeça e mal te pões de pé quando acordas. Desta forma me tomei da razão e resolvi vir falar direto contigo. Afinal tu me conheces e se tem alguma coisa que te preservou até aqui fui eu.
Levanto os olhos para ela e peço em tom de misericórdia.
- Fala então.
­- Eu não falo, eu escrevo.

15 comentários:

Anne M. Moor disse...

A alma chama-se Graça...

Jane disse...

Graça!
Que bom te encontrar!
Através do blog da Anne te achei. Gostei muito do que li.
Podes me visitar no meu blog www.memoriasemretalhos.blogspot.com
Abçs.

Anne M. Moor disse...

Amor é um carpinteiro
by Adelaide de Castro Alves Guimarães

Amor é um carpinteiro
Que ri com ar de matreiro,
Cerrando forte e ligeiro
Na tenda do coração...
Com toda a proficiência
Põe pregos de resistência,
Ferrolhos na consciência,
Tranca as portas da razão

Destranca as portas minha amiga e joga fora os pregos...
Beijão

Angela disse...

Incrível ter nosso estado de espírito revelado pela "alma escritora" do outro.
O que dizer?

zuleica-poesia disse...

Talvez minha alma seja irmã da sua, ou beberam ambas da mesma fonte. Gostei de encontrá-la e de me encontrar em você.

Jorge Lemos disse...

Li num muro de uma cidade grande
lá no oriente distante:
"Foram os homens que construiram prisões para os outros homens!"

Curioso como há prisões que não se escondem! Alma graça que lhe dá a graça de libertar-se todos os dias.

Flavio Ferrari disse...

Faz tempo que não apareço por aqui, e te encontro num momento pós ruptura ...
Lí o post anterior e chorei ...
Separei-me de um casamento longo e maravilhoso há pouco mais de um ano.
Senti muito ... embora diferente.
Nas tuas palavras, reconheci o sofrimento da minha ex.
Já estou melhor, ela ja esta melhor, mas ambos ainda sentimos saudades do que foi e do que poderia ter sido...
Não tenho fórmulas mágicas para sugerir.
Só minha empatia.
Não sei se passa, nem quando...
Melhora com o tempo.
Principalmente se a gente dedicar mais atenção a um dia de cada vez ..
Beijo,

Anne M. Moor disse...

"Faço mais silêncio para poder escutar com clareza." Estamos com saudades... Manda a alma te dar uns cutucos bem dados!!! Levantaste vôo, mas estás desaparecida a muiiiiiiiiiito tempo. Volta minha amiga. Faz o que disseste para a Estrelinha lá no Prozac Café...

Estrelinha disse...

Maria...sou eu ...a Estrelinha do Prozac...eu estou tentando de todas as formas ficar bem comigo mesma...mas infelizmente tenho q ficar mais sozinha para refletir, relembra e chorar...Fica bem vc tb!Beijo com maior carinho!!!!

Clarisse Milano disse...

Utilizar a escrita como meio de confrontar-se com teus mais íntimos e inconscientes sentimentos é uma ótima forma de autoconhecimento. Amei, maei mesmo este texto! Parabéns!

Walmir Lima disse...

Sinto a falta dos teus sonhos e dos teus vôos pra dentro dos nossos corações de poetas e de amantes da poesia...

Maria disse...

Recobro os sentidos e lentamente sinto correr a seiva. Bendito silêncio, solidão degustada com prazer de encontro. Despertei em mim.
Jane, Anne, Angela, Zuleica, Jorge, Flávio, Estrelinha, Clarisse e Walmir. Sempre parte dos meus vôos

Walmir Lima disse...

Querida Maria,
Sem saber outro caminho, manifesto aqui minhas condolências pelo passamento de sua mãe, que acabo de saber.
Como você sabe, hoje faz exatos 4 meses que ocorreu o falecimento da minha mãe e creio que posso imaginar, em parte, o que você está sentindo.
Faço minhas preces nesse momento e peço a Deus que te abençoe e conforte.
Um beijo afetuoso,
Walmir

zuleica-poesia disse...

Estou só de passagem para pedir-lhe que continue postando. Gosto do seu modo de escrever. Voltarei.-Feliz 2008- abraços- Zuleica

Anne M. Moor disse...

Graça querida!
2007 foi um ano de introspecções, de dores, de descobertas, de reviveres!
Que 2008 te traga a paz que mereces! Aparece minha amiga... É nesses momentos que os amigos nos amparam...
Beijo imenso
Anne